Project 365 – 015/365

Imagem

Joguinho de ontem. Metal Slug X, para PS1. Graças ao PC Siqueira, que fez um gameplay de uma das versões de Metal Slug em seu vlog de games, eu motivei-me a baixar o emulador de PS1, configurar todo ele, e esperar hora hora pelo download do jogo. Baixei o emulador já faz um tempo, só não tinha tido a santa paciência de configurá-lo corretamente para ele rodar o jogo. Esta parte da configuração eu fiz no domingo, e já testei o jogo. Consegui jogar até a terceira missão, então decidi deixar para terminá-lo ontem. Foi quando eu vi que o jogo não havia sido salvo, então comecei tudo de novo e fechei-o em uma hora (mais um pouco demora mais para baixá-lo do que para jogá-lo). 

Ressalto aqui três características importantes do jogo, que fizeram com que eu me apaixonasse e me motivasse ainda mais a baixar outras versões dele. Uma delas são os gráficos. O jogo tem uma ambientação muito legal, com detalhes muito bem desenhados e cores muito bonitas. Outra característica é a jogabilidade, ou em outras palavras, a dinâmica e responsividade dos comandos do jogo. Dependendo de qual munição você pegar, seu personagem sai atirando  loucamente pelo cenário, e isso torna o jogo muito divertido e relaxante (por incrível que pareça, simplesmente pelo fato de você mal apertar os botões do controle e o personagem já sair atirando em tudo o que vê). E por último, uma característica que vi neste jogo e que não me lembro de ter visto em mais nenhum outro jogo é que o seu personagem não volta ao início da fase quando gasta todas as suas vidas. Vou explicar melhor. Primeiramente, não são fases e sim missões. Na primeira missão você começa o jogo com 3 vidas. Ao morrer três vezes nesta missão, seu personagem não retorna ao início da missão, nem mesmo para alguma parte do meio da missão (como em Donkey Kong Country – quando estoura o barril brilhante, ou em Super Mario World – quando “derruba o sarrafo do salto em altura” – desculpem, mas pra mim aquilo é um sarrafo de salto em altura e o Mario simplesmente o derruba para demarcar o meio das fases). Ao morrer pela terceira vez, a tela do jogo simplesmente congela (isso eu não tenho absoluta certeza, e olha que ontem eu morri mais de 60 vezes, porque o jogo te dá esse feedback quando você zera ele) e inicia-se um contador regressivo de 10 a 1 de Continue. Você aperta Start, e o jogo continua de onde você morreu. Ou seja, esse é o principal motivo de eu ter conseguido zerar o jogo em uma hora. Não perdi tempo voltando as missões. Achei incrível isso. Ahh se todos os jogos fossem assim! *-*

O engraçado é que eu tive todo esse trabalho pra baixar e configurar o emulador, sendo que eu tenho um console PS1 (só que não tenho o jogo Metal Slug X, o que não adiantaria muita coisa). Mas é que nenhuma televisão aqui de casa tem entrada que dê certo com o cabo do PS1, então não consigo ligá-lo. =(

Ahh, sei lá, estou meio sem assunto hoje. Não aconteceu nada de muito interessante hoje lá no trabalho, embora eu estivesse inspirada a organizar as coisas hoje (quase organizei toda a loja da minha mãe).

 

Daily Movie

Percebi, ao pensar em filmes para indicar aqui, que existem alguns filmes que dispensam indicações, do tipo O Senhor dos Anéis, Harry Potter, alguns outros clássicos do cinema, tipo E o vento levou.. Só que hoje resolvi indicar um filme que, na minha cabeça soa como sendo um O Senhor dos Anéis 0, ou seja, estou falando de O Hobbit. Assim como O Senhor dos Anéis, é um filme que dispensa indicações. Mas eu o indico por ser um filme com enredo bastante esclarecedor para quem assistiu a trilogia de Senhor dos Anéis e sentiu falta de algumas respostas. 

Assisti ao filme lá em Balneário Camboriú/SC, mês passado (é, eu estava na praia e fui ao cinema, que mal há nisso? sahuashuashuashushu).

Abaixo segue o link do trailer (legendado e em HD -> “os nerd cinéfilo pira!” >_< )

(https://www.youtube.com/watch?v=uVDYKBEKfjI)

=)

Detalhe: Não sei ao certo se meus posts estão vindo com erros de digitação ou de alguma concordância, afinal, se vocês vissem qual é o tamanho da caixa de texto da página de posts do WordPress, com certeza vocês relevariam qualquer tipo de erro. Não vale a pena ficar voltando e relendo, ou pior, postar e depois editar. Haja paciência, portanto, se acontecer de encontrarem algum erro, tentem deduzir o que eu quis dizer, e relevem. 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s